Cirurgia de Fraturas de Falanges e Metacarpos

As fraturas das falanges (fraturas dos dedos) são consideradas as mais frequentes no ser humano. Isso ocorre, devido os ossos dessa região ser menores e mais frágeis, além de estar expostos com maior frequência aos traumatismos cotidianos (domésticos, profissionais ou esportivos).

A gravidade das fraturas das falanges depende, sobretudo, do número de fragmentos envolvidos, como também do desvio entre esses fragmentos, do comprometimento articular e outros fatores. Esses fatores também definem qual será o tratamento a ser instituído, que pode ser conservador ou cirúrgico. No caso de cirurgia, definirá qual será o método mais adequado de redução e de fixação.

A maioria das fraturas de falanges é tratada com método conservador e consiste na imobilização, em média, por quatro semanas e seguida de terapia apropriada. Nas fraturas com maior desvio, múltiplos fragmentos e fragmentos articulares, nas quais a redução fechada (sem cirurgia) não foi possível ou a imobilização não é capaz de manter a posição dos fragmentos (fraturas instáveis), o tratamento cirúrgico é indicado e pode ser caracterizado pela redução incruenta e fixação percutânea com pinos metálicos (sem cortes) ou redução aberta e osteossíntese interna com micro placas e parafusos de titânio.

O desenvolvimento recente de implantes de maior tecnologia com menos espessura e desenhos mais anatômicos, vem aumentando as indicações do uso dessa técnica. Ela permite a mobilização imediata do dedo,com baixo risco de complicações relacionadas aos implantes e, consequentemente, poucas chances da necessidade de remoção futura dos implantes.

O São Paulo Hand Center é uma das referências internacionais no uso da técnica de redução aberta e osteossíntese interna das falanges e metacarpos, com ampla experiência e realização de pesquisas de ponta na área. O centro conta com reabilitação especializada para início de terapia precoce, após a cirurgia. Isso vem trazendo resultados cada vez mais rápidos e eficientes no retorno dos pacientes às suas atividades profissionais e pessoais.