Saúde das mãos

Atendimento

(11) 2372-7634 / *(11) 96339-6152
*horário comercial, apenas marcação de consultas

Popularmente conhecido como “Dedo em Gatilho”, trata-se de uma tenossinovite estenosante que acomete os tendões flexores dos dedos ao nível da primeira polia, na região palmar da mão. Caracteriza-se por meio de dor e bloqueios intermitentes ou permanentes do movimento de flexão e extensão dos dedos.

A tenossinovite é a inflamação dos tendões e da sua membrana sinovial nesta região, por estarem contidos em um túnel fibroso formado por um sistema de polias, causando um bloqueio mecânico devido ao aumento de volume localizado em um ponto do tendão. Este ponto de bloqueio causa o estalido ou ressalto durante a movimentação do dedo ao “travar” e “destravar” quando passa pela primeira polia do sistema. Dai o nome gatilho, pois descreve a sensação de “engatilhar” e “desengatilhar” o dedo durante o movimento. O quadro vai desde uma fase inicial onde há apenas a dor e o processo inflamatório, até o início do bloqueio mecânico propriamente dito, causando o ressalto do dedo que pode ser esporádico. Esse ressalto é mais frequente pela manhã e melhora no decorrer do dia, até chegar a uma fase mais avançada na qual o bloqueio se torna constante e há a necessidade do auxílio da outra mão para “destravar” o dedo.

O tratamento depende da fase em que se encontra a doença, iniciando-se com medicações anti-inflamatórias e fisioterapia específica, podendo passar ao uso de infiltrações com corticosteroides e o tratamento cirúrgico.

O tratamento cirúrgico clássico consiste na liberação do tendão em seu ponto de estrangulamento (tenólise), sendo realizado com anestesia local em uma cirurgia rápida e de baixo risco por meio de internação ambulatorial (“day-hospital”). A partir de uma pequena incisão na região palmar, abrimos a primeira polia para liberar o tendão. Dependendo do caso é necessário ressecar algum cisto local ou retirar a membrana sinovial inflamada e espessada. A recuperação da cirurgia pode demorar entre uma e duas semanas sem necessidade de imobilização pós-operatória, dentro dos padrões de uma evolução normal e satisfatória. As complicações desta cirurgia, porém, podem levar a quadros graves e incapacitantes, como aderências dos tendões, lesões dos tendões e lesões dos nervos e artérias digitais. Portanto, recomendamos que procedimentos como esse, considerados mais simples, sejam realizados sempre por um médico especialista em cirurgia da mão com treinamento específico nesta especialidade.

dedo-em-gatilho1.jpg dedo-em-gatilho2.jpg dedo-em-gatilho3.jpg